Serotonina e sua relação com o consumo de doces - MaisEquilíbrio

Serotonina e sua relação com o consumo de doces

Serotonina e sua relação com o consumo de doces

O bebê que suga o leite materno recebe também o calor, o carinho, o afeto e o cheiro de quem o alimenta. A relação com os alimentos é capaz de revelar formas de interação da pessoa consigo mesma e com o mundo.

Publicidade

No entanto, algumas vezes um desequilíbrio hormonal pode ser o grande vilão para o ganho ou perda de peso excessivos.

A serotonina é uma substância presente naturalmente no cérebro. Age como um neurotransmissor, isto é, permite a comunicação entre as células nervosas do cérebro, chamadas neurônios. Esta comunicação é fundamental para a percepção do ambiente e para acapacidade de resposta aos seus estímulos.

A serotonina desempenha um importante papel no sistema nervoso, com diversas funções, como a liberação de alguns hormônios, a regulação do sono, da temperatura corporal, do apetite, do humor, da atividade motora e das funções cognitivas. A serotonina pode melhorar o humor, causando uma sensação de bem-estar e sua falta tem sido relacionada a doenças graves, como mal de Parkinson, distonia neuromuscular e tremores. Pode causar também depressão, ansiedade, comportamento compulsivo, agressividade, problemas afetivos e aumento do desejo de ingerir doces e carboidratos.

Quando você estiver ansioso ou deprimido, observe se recorre a massas (pizza, lasanha, ravióli etc.) ou doces. Se houver falta de autocontrole, e em conseqüência você estiver sempre desejando ingerir carboidratos e doces, pode ser uma indicação de um desequilíbrio da taxa de serotonina no cérebro. O desejo por certos tipos de alimentos nem sempre está associado à busca de prazer e saciedade. Poderá evidenciar um desequilíbrio químico e exigir um tratamento.

Com taxas normais de serotonina, a pessoa atinge mais facilmente a saciedade e consegue maior controle sobre a ingestão de açúcares. Medicamentos que aumentam a taxa de serotonina são cada vez mais utilizados para emagrecer. A sibutramina e a fluoxetina, medicamentos antidepressivos, costumam proporcionar maior controle sobre o apetite, especialmente para doces. Alimentos ricos em proteínas, como carne bovina e de peru, peixe, leite e seus derivados, amendoim, tâmara, banana etc., contêm triptofano, um nutriente que ajuda a combater os efeitos da falta de serotonina.

Pesquisas científicas estão demonstrando a estreita relação entre o equilíbrio de nutrientes e as complexas reações cerebrais. Às vezes não basta uma mudança de hábitos alimentares e a prática de exercícios físicos para conseguir o emagrecimento, pois o desequilíbrio hormonal pode dificultar esse objetivo.

A avaliação de um médico especialista poderá esclarecer a necessidade, ou não, de algum medicamento que equilibre o funcionamento químico do cérebro. A fome e o prazer de comer podem induzir a erros de nutrição. Devemos nos alimentar conscientes de que podemos beneficiar ou prejudicar nossa saúde e nosso estilo de vida. A química cerebral agradece e contribui quando nossa alimentação é equilibrada e saudável.

Por:
Flávia Leão Fernandes
CRP 06/68043 Psicóloga clínica, Mestre em Psicologia pela Universidade de Londres, Inglaterra e especialista em Psicologia Hospitalar com enfoque em obesidade.

Comentários

comentar comentar
alimentação amor avaliação boca caminhos cansaço capacidade carência confiar desapontamento desrespeito destino diabete doença espiritual evoluir felicidade festas magros mudança mudanças mudar objetivo obstáculos patuá preconceito psicoterapia puberdade reeducação alimentar reflexão rejeição relação satisfação tensões walt disney óleos essenciais
MaisEquilíbrio
Parceiro Cyberdiet - ONG Aldeias Infantis SOS Brasil
Cyberdiet é parceiro da ONG Aldeias Infantis SOS Brasil, que já atende mais de 10.000 crianças brasileiras que necessitam de um lar e de uma família. Saiba mais
Copyright © 2014 e-Mídia Sobre MaisEquilibrio.com.br | Sobre e-Mídia | Precisa de ajuda? | Anuncie conosco | Trabalhe Conosco

ATENÇÃO!

As informações oferecidas por este site não são individualizadas, portanto não substituem o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos e profissionais de educação física. Veja informações adicionais em nossos termos de uso e política de privacidade.