Por que meus relacionamentos não dão certo?

Dicas para manter seu relacionamento em dia

Dificilmente se encontrará uma pessoa solteira que nunca se fez essa pergunta. Afinal, nós entramos em relacionamentos, na maioria das vezes, com a melhor das intenções. Queremos amar e ser amados. Até fantasiamos como seria passar o resto da vida do lado daquela pessoa. Criamos mil planos e procuramos fazer todo o possível para agradar e cativar a pessoa amada, mas, de repente, tudo desaba como num castelo de cartas.

A pessoa vai embora, por algum motivo fútil, ou mesmo sem motivo algum. Não atende mais os telefonemas. Não responde às mensagens, não fica mais disponível na rede social, falta aos encontros. 

Experiências como essa, repetidas muitas vezes, tendem a causar enorme sofrimento. Sentimentos de baixa autoestima, inadequação, desespero, frustração e raiva são comuns. Mas nem sempre o sucesso ou fracasso de um relacionamento é obra do acaso. Nós podemos mudar e melhorar nossos relacionamentos, tornando-os mais satisfatórios e duradouros. Confira como:

A culpa é minha? 

Provavelmente sim, mas não pelos motivos que você pensa.

Nossas mães já diziam, com toda a razão: "Se você não se amar, ninguém irá amar você". Quando temos amor e respeito por nós mesmos, não toleramos comportamentos abusivos ou negligentes. Percebemos claramente quando uma pessoa está cruzando o limite e não permitimos isso.

Quando não gostamos de nós mesmos, acreditamos que ninguém mais poderia gostar. Então, quando alguém se interessa por nós, encaramos o fato quase como um milagre -- desses que podem não se repetir nunca mais. Então, fechamos os olhos para uma série de coisas, aceitamos tudo que acontece, porque já é o bastante ele/a ter se interessado por mim, nem isso eu mereço.

Esse comportamento é destrutivo, podendo até ser perigoso, visto que os abusos podem se tornar cada vez maiores ou mais frequentes com o tempo, chegando até mesmo à agressão física.

Repetição de comportamentos

Nós temos tendência a reforçar e a repetir os mesmos hábitos – afinal, o ser humano prefere seguir padrões conhecidos. Infelizmente, mesmo quando esse comportamento não dá bons resultados para nós, podemos continuar repetindo-o, porque é aquilo que fomos treinados a acreditar que era certo, mesmo inconscientemente.

Uma mulher que cresceu presenciando a agressão do pai à mãe pode achar que é certo ou normal que as mulheres sejam agredidas, e ao se relacionar poderá repetir o padrão vivenciado por seus pais. A mesma coisa pode ser dita de pessoas que se envolvem com alcoólatras ou viciados – elas podem estar repetindo padrões de comportamento. Conhecem seus pares sempre nos mesmos lugares, como baladas ou bares.

Vale ressaltar que pessoas com autoestima alta e conscientes de si mesmas, por mais que tenham vivido e/ou presenciado relacionamentos ruins ou destrutivos, conseguem romper esses padrões e libertar-se deles, caminhando para uma vida afetiva plena e saudável. 

Cuidado com a ansiedade

Muita gente, na ânsia de ter um relacionamento estável, não dá tempo ao tempo – mal conhece a pessoa, já quer saber tudo sobre ela, liga a cada dez minutos, quer conhecer a família, intrometer-se na sua intimidade. E não é assim que funciona. Cada relacionamento é algo a ser cultivado com atenção, interesse e acima de tudo, paciência.

Permita-se o prazer de simplesmente estar com alguém legal. Não pense no amanhã, no depois, nos filhos, no casamento. Tudo isso acontecerá no seu devido tempo – e pode nem ser com a pessoa com quem você está agora, o que não significa que você não possa ter um relacionamento prazeroso com ela.

Permita-se ser ajudado

Muitas vezes, tanto a baixa autoestima como a repetição de comportamentos destrutivos ou a ansiedade excessiva por um relacionamento estável são pontos que não podem ser superados sozinhos. Um bom psicólogo pode ajudar você a se conhecer melhor, romper padrões de comportamento e diminuir a ansiedade, permitindo que você tenha uma vida afetiva livre e plena com seu parceiro, sem cobranças. 

Thaiana Filla - Psicóloga Clínica www.psicologoeterapia.com.br


Comente

Últimas

Copyright © 2019 e-Mídia