A vida em sociedade - MaisEquilíbrio

A vida em sociedade

A vida em sociedade

Há duas tendências muito fortes no ser humano: uma para buscar a autonomia, a auto-suficiência, a independência; e outra para fazer parte e pertencer a uma unidade maior.

Essa unidade maior pode ser definida como a família, a nação, uma ideologia, ou seja, um universo maior que tenha um significado importante.

Publicidade

Dessa forma o indivíduo se desenvolve, ultrapassa sua individualidade e busca a integração com os outros.

Para se desenvolver de forma equilibrada, a pessoa precisa se comprometer, se adaptar, ceder. Tudo isso não é muito fácil, pois sempre haverá conflitos entre o eu e o outro, entre o querer tudo para si e precisar fazer algo para o outro. A vida em sociedade fica mais fácil quando entendemos que dependemos uns dos outros para viver melhor, e que juntos somos mais fortes.

Os seres humanos não vivem juntos apenas por escolha, mas porque a vida em sociedade é uma necessidade. Se alguém, por livre vontade, se isolasse numa ilha, com todos os recursos para sobrevivência, em pouco tempo sentiria falta de companhia e sofreria com a solidão, por não ter com quem compartilhar idéias, dar e receber afeto. Poderia até mesmo enlouquecer. Portanto, as pessoas satisfazem suas próprias necessidades vivendo em sociedade.

Quando a auto-estima - a visão que a pessoa tem de si mesma - é positiva, o relacionamento em sociedade torna-se mais fácil, mais saudável e mais satisfatório. O inverso também é verdadeiro, isto é, um bom relacionamento social alimenta a auto-estima positiva.

Para manter um bom relacionamento com as outras pessoas são necessárias algumas condições básicas: sermos autônomos, assertivos, confiantes e termos auto-estima elevada. Sem essas condições, atribuiremos aos outros a causa das dúvidas, fraquezas, incertezas e desconfianças que temos a respeito de nós mesmos.

Em sociedade o eu e o outro sempre se relacionam, e as necessidades sociais vão sendo estabelecidas. Elogiamos e somos elogiados; compreendemos e somos compreendidos; amamos e somos amados; vemos e somos vistos; valorizamos e somos valorizados. Até as frustrações são mútuas: rejeitamos e somos rejeitados; causamos dor no outro e ele em nós; discriminamos e somos discriminados. O certo é que para o bem e para o mal, querendo ou não, o outro é parte de nossa vida e nossa vida é parte do outro.

Muitas pessoas se queixam de que a sociedade define muitas regras e que sem elas a vida poderia ser melhor. A verdade é que cada um deve definir seu limite, respeitar a sua individualidade e também a do outro. Aí surge a pergunta: isso também não é uma regra?

A necessidade de nos mantermos unidos a outros seres humanos não é um capricho ou um desejo individual, é uma questão de sobrevivência orientada pelo instinto e referendada pela razão.

Aproveite para crescer, melhorar e aperfeiçoar-se como ser humano. Assim, você estará sempre motivado para praticar o bem e para o bem-estar de si mesmo e de todos os que convivem com você em sociedade.

Por:
Flávia Leão Fernandes
CRP 06/68043 Psicóloga clínica, Mestre em Psicologia pela Universidade de Londres, Inglaterra e especialista em Psicologia Hospitalar com enfoque em obesidade.

Comentários

comentar comentar

eu acho que para viver bem em sociedade e presiso que cada um faça a sua parte a sua função e não reclamar do que o outro esta ou deixou de fazer nós cuida da nosa vida e deus da de todas!!!!!!

1 relevância victoria - postado em: 19/06/2013 - 10h50

a vida em sociedade é muito importante no nosso dia-a-dia e tambem é o nosso dever cumpra esse deve seja obediente assim vc vai ser uma pessoa amada , respeitada e todos os dias de sua vida vc vai ser pessoa muito alegre assim como eu sou .

4 relevâncias lucas - postado em: 15/11/2011 - 18h25

Gostei do texto de Flávia Leão Fernandes, é especialista em Psicologia Hospitalar com enfoque em obesidade. Eu e meu marido somos obesos. Eu 120 Kg e meu marido 170Kg. Vc pode nos ajudar, temos medo de qualkquer tipo de cirurgia. Gostamos de tomar remédioos.

Aguardo sua resposta.

Bjs.

Filomena.

0 relevância Filomena do Couto - postado em: 16/09/2011 - 17h42

nossa vida em sociedade e muito importante para todos........

7 relevâncias ariel - postado em: 05/05/2011 - 17h07
Gostei do texto de Flávia Leão Fernandes, é especialista em Psicologia Hospitalar com enfoque em obesidade. Eu e meu marido somos obesos. Eu 120 Kg e meu marido 170Kg. Vc pode nos ajudar, temos medo de qualkquer tipo de cirurgia. Gostamos de tomar remédioos. Aguardo sua resposta. Bjs. Filomena.
Filomena do Couto - postado em: 16/09/2011 - 17h42

adorei esse texto que falar da nossa sociedade

0 relevância biancca - postado em: 05/11/2010 - 11h17

Que ótimo artigo! Espero que continue escrevendo sobre estes temas. Deixo aqui um link a respeito de "melhorar e aperfeiçoar-se como ser humano" para continuar a conversa com seus leitores. Abraços e tudo de bom. Vou um prazer conhecer seu site.

Vida em Sociedade: Boas Maneiras, Virtudes Humanas e Cristianismo para a Vida Cotidiana. Informação Útil para a Família - Material de Reprodução Livre e Gratuita - Brasil - Ano IV

http://vidaemsociedade-sa.blogspot.com/

1 relevância Vida em Sociedade - postado em: 23/08/2010 - 10h41
que legal otimo comentario!!!!!!!!!
victoria - postado em: 19/06/2013 - 11h02
abandono amagrecer angústia carreira ciúme colesterol dedicação dependência desonestidade emagrecer energia exercícios exercícios de respiração gafes gordura heróis melhorar mudar mulher obesos oportunidade ousadia paladar perda reagir reclamar reeducação alimentar responsabilidade sedentarismo sistema nervoso sonhar tarefas união vergonha água
MaisEquilíbrio
Parceiro Cyberdiet - ONG Aldeias Infantis SOS Brasil
Cyberdiet é parceiro da ONG Aldeias Infantis SOS Brasil, que já atende mais de 10.000 crianças brasileiras que necessitam de um lar e de uma família. Saiba mais
Copyright © 2014 e-Mídia Sobre MaisEquilibrio.com.br | Sobre e-Mídia | Precisa de ajuda? | Anuncie conosco | Trabalhe Conosco

ATENÇÃO!

As informações oferecidas por este site não são individualizadas, portanto não substituem o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos e profissionais de educação física. Veja informações adicionais em nossos termos de uso e política de privacidade.